Professores passam por capacitação para realizar avaliações de acuidade visual nos estudantes

Os professores das escolas das redes estadual e municipal de ensino do Subúrbio Ferroviário de Salvador e profissionais das unidades básicas de Saúde que fazem parte do Programa Saúde na Escola (PSE) participaram, nesta quinta-feira (12), de uma oficina formativa com o objetivo de instrumentalizá-los para a realização da avaliação da acuidade visual (Teste de Snellen) nos estudantes identificados com possíveis problemas oftalmológicos. A capacitação foi realizada no auditório do Parque São Bartolomeu, localizado no bairro de Plataforma, em Salvador, e é uma ação conjunta entre as secretarias estaduais da Educação (SEC) e da Saúde (SESAB); as secretarias municipais de Educação (SMED) e de Saúde (SMS), de Salvador; além do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA).

“A intersetorialidade é uma das premissas do programa Saúde na Escola. E a ação de hoje evidencia isto, onde tivemos os poderes públicos estadual e municipal imbuídos no cumprimento desta atividade. Com isso, esperamos que as unidades escolares consigam implementar ações em prol dos nossos estudantes, no que tange à saúde ocular, uma vez que interfere diretamente nos processos de aprendizagem e que podem influenciar no percurso educativo dos nossos estudantes”, explicou o coordenador de Educação Ambiental e Saúde da SEC, Fábio Barbosa.

A atividade envolveu a participação de 52 unidades escolares (12 estaduais e 40 mancipais) e irá beneficiar, diretamente, 26.068 estudantes, sendo 11.205 da rede estadual de ensino. A SEC já disponibilizou a Escala Optométrica e o Manual Orientador para a realização do Teste de Snellen para as 615 unidades escolares da rede estadual pactuadas ao Programa Saúde na Escola. O material a ser utilizado pelos professores capacitados visa promover a saúde ocular a partir da prevenção, identificação e correção de problemas visuais dos estudantes, a fim de garantir o comprometimento do processo de aprendizagem.

A acuidade visual é o grau de aptidão do olho para identificar a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos. A medição da acuidade visual é feita através da Escala de Sinais de Snellen, que utiliza sinais em forma de E, organizado de forma padronizada e de tamanhos progressivamente menores. Esse procedimento busca identificar entre os estudantes a existência de erros de refração que necessitarão de consulta oftalmológica.

Para a professora Vilma Weber, do Colégio Estadual Doutor Ailton Pinto de Andrade, localizado no bairro do Lobato, a realização do teste refletirá positivamente no aprendizado dos estudantes atendidos. “Esse treinamento é de suma importância para que possamos, junto com a Secretaria da Saúde, visualizar a necessidade de cada aluno individualmente, para que eles tenham um amplo desempenho educacional”, afirmou a educadora.

A médica oftalmologista da SESAB, Lilia Corrêa, que foi uma das instrutoras da atividade, falou da importância da iniciativa. “Esta ação integrada entre as secretarias é essencial no sentido de impedir que alguns educandos possam vir a ter uma perda de visão e que pode evoluir para um caráter irreversível, ou seja, uma cegueira, pela falta de uma correção ótica, que é necessária. Estou feliz em participar desta atividade importante que ajudará a corrigir patologias, como erros refração, miopia, astigmatismo e hipermetropia, para que os estudantes tenham a oportunidade de desenvolver a visão plena”, explicou.

A programação do treinamento contou com palestras sobre os temas “O programa Saúde na Escola e sua contribuição na formação integral dos sujeitos”; “Saúde Ocular e PSE – Conhecendo do fluxo da avaliação na escola à distribuição dos óculos”; “A importância da saúde ocular para os estudantes: instrumentalizando para a prática do Teste de Snellen nas escolas”. Além disso, os participantes fizeram uma atividade prática na qual aprenderam a realizar o Teste de Snellen nas unidades escolares em que atuam.

Fotos: Divulgação 

NTE-19 FEIRA faz homenagem a professoras aposentadas

Na manhã do último sábado (07/03) nas dependências do Colégio Modelo em Feira de Santana , há 116 km de Salvador, aconteceu o primeiro encontro de professoras aposentadas do Território Portal do Sertão. Evento promovido pelo NTE-19 em parceria com todas as Unidades Escolares do território, com intuito de homenagear essas guerreiras servidoras pelos serviços prestados à educação e pela chegada do dia internacional da mulher.
Um belíssimo café manhã abriu as atividades onde as mesmas puderam reencontrar colegas e diretores de suas antigas UEEs de atuação.
O evento contou também com a participação do Dr. psicólogo e neurocientista Kleber Fialho, que dialogou com as participantes sobre a importância de manter a mente cotidianamente ativa mesmo após a velhice; e como é fundamental cuidar também do corpo.


Para a diretora do Colégio Estadual Professora Tecla Mello, a profa. Juliana Vieira o encontro foi: Uma expressão de como a educação é capaz de reassumir seu lugar na sociedade resgatando valores. Unindo pessoas em prol de valorizar o outro, de potencializar o ser humano através do cuidado. Isso que simbolizou a comemoração às Mulheres: proporcionar um momento em que foram aliados força e singeleza.

A diretora Ana Verena, do Colégio Estadual Paulo VI, relata que para ela: O Encontro foi magnífico. Além de estarmos com um público de mulheres em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, também mulheres aposentadas. Eu gostei de ver colegas já aposentados, nossas professoras que já não estão mais na ativa. Foi nítido ver a satisfação do reencontro, e a valorização dos servidores da educação.

A professora aposentada do Col. Est. Paulo VI, Ana Lourdes, relatou que se sentiu muito lisonjeada de ser convidada para um encontro tão significativo, uma felicidade imensa reencontrar amigas que a muitos anos não nos víamos.

Secretarias da Educação e Saúde emitem nota conjunta com orientações sobre o Coronavírus

As secretarias estaduais da Saúde e da Educação elaboraram uma nota conjunta com recomendações que devem ser adotadas nas escolas das redes estadual, municipais e particulares de prevenção ao Coronavírus 2019 (COVID-19). As orientações vão desde o ato de lavar as mãos até o desenvolvimento de ações pedagógicos que contribuam para a mobilização e engajamento de toda a comunidade escolar (estudantes, professores, coordenadores pedagógicos, técnicos administrativos e profissionais da alimentação escolar) e as famílias.  

Na lista também está a orientação para que se evite atividades envolvendo grandes aglomerações em ambientes fechados, durante o período de circulação dos agentes causadores de síndromes gripais, como o novo COVID-19.   Na nota, a SEC ressalta que ações preventivas já são desenvolvidas, durante o ano letivo nas escolas, por meio de programas e projetos voltados à Educação Ambiental e à Promoção da Saúde na Escola. No entanto, alerta sobre a importância do engajamento de toda a comunidade escolar neste processo de prevenção ao COVID-19. Trabalhar pedagogicamente este contexto é fundamental para que os estudantes se apropriem dos conceitos e conheçam como podem ser agentes multiplicadores sobre a prevenção ao Coronavírus junto aos amigos, às famílias e à comunidade onde vivem.   Na nota, a SESAB afirma que mantém a vigilância ativa da circulação dos vírus respiratórios, através do monitoramento constante da situação epidemiológica, gerando boletins e notas técnicas para orientação dos serviços de saúde, dos demais setores e da população. Na ocorrência de qualquer mudança no cenário epidemiológico, que justifique a adoção de outras medidas de prevenção e controle dirigidas à comunidade escolar, haverá divulgação, em tempo hábil, através dos veículos oficiais de comunicação.  

Veja a nota na íntegra:  

SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA   SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA  

09/03/2020   NOTA INFORMATIVA CONJUNTA

A Doença pelo Coronavírus 2019 (COVID-19), causada pelo vírus SARS-CoV-2, é um agente relacionado a infecções respiratórias, que podem apresentar-se com um quadro semelhante às síndromes gripais. Sua transmissão, com base no conhecimento científico adquirido até o presente momento, ocorre através da entrada do vírus no trato respiratório, através do contato com gotículas de secreções, a exemplo muco nasal. Isso pode acontecer através do contato direto com as secreções da pessoa infectada, pela tosse ou espirro, ou de forma indireta, pelo contato com superfícies e utensílios contaminados, levando-se as partículas ao nariz ou à boca através das mãos.   Com objetivo de prevenir a transmissão, recomendamos medidas às instituições escolares, bem como medidas comportamentais, cuja iniciativa cabe aos membros da comunidade escolar – profissionais, alunos e responsáveis. Essas recomendações são relevantes, tendo em vista que as escolas são ambientes fechados, com grande número de pessoas e com realização frequente de atividades coletivas.   Medidas Institucionais

  • Promover, em parceria com a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), ações de divulgação das medidas preventivas nas escolas;
  • Promover atividades educativas sobre higiene de mãos e etiqueta respiratória (conjunto de medidas comportamentais que devem ser tomadas ao tossir ou espirrar);
  • Recomenda-se a aquisição de sabonete líquido e/ou álcool em gel (70%), a fim de estimular a correta higienização das mãos. Sempre que possível, utilizar dispensadores de sabonete líquido, suporte de papel toalha e lixeiras com tampa por acionamento por pedal nos lavatórios e banheiros. Já os dispensadores de preparações alcoólicas para as mãos devem ser instalados em pontos de maior circulação, tais como: recepção, corredores de acessos à sala de aulas e refeitório;
  • Estimular o uso de lenços de papel, bem como seu descarte adequado;
  • Realizar a limpeza e desinfecção das superfícies das salas de aula e demais espaços da escola (classes, cadeiras, mesas, aparelhos, bebedouros e equipamentos de educação física) após o uso. Preconiza-se a limpeza das superfícies, com detergente neutro, seguida de desinfecção (álcool 70% ou hipoclorito de sódio);
  • Evitar compartilhamento de copos e vasilhas;
  • Estimular o uso de recipientes individuais para o consumo de água, evitando o contato direto da boca com as torneiras dos bebedouros;
  • Lavar regularmente os brinquedos com água e sabão;
  • Manter os ambientes arejados por ventilação natural (portas e janelas abertas);
  • Evitar atividades que envolvam grandes aglomerações em ambientes fechados, durante o período de circulação dos agentes causadores de síndromes gripais, como o novo coronavírus (COVID-19);
  • Manter a atenção para indivíduos (estudantes e profissionais) que apresentem febre e sintomas respiratórios (tosse, coriza etc.). Orientar a procura por atendimento em serviço de saúde e, conforme recomendação médica, manter afastamento das atividades;
  • Comunicar às autoridades sanitárias a ocorrência de suspeita de caso(s) de infecção humana pelo novo coronavírus (COVID-19);
  • É recomendada a mobilização das famílias e de toda a comunidade escolar, professores, gestores, coordenadores pedagógicos, técnico-administrativos, profissionais da alimentação escolar.

Medidas Individuais (profissionais, estudantes e responsáveis)

  • Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes das refeições, após tossir, espirrar ou usar o banheiro. Quando não houver sujidade visível, pode-se usar as preparações alcoólicas (álcool em gel a 70%, por exemplo);
  • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após tossir ou espirrar ou após contato com superfícies; – Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;
  • Aplicar a etiqueta respiratória: proteger com lenços (preferencialmente descartáveis) a boca e nariz ao tossir ou espirrar para evitar disseminação de gotículas das secreções. Na impossibilidade de serem usados lenços, recomenda-se proteger a face junto à dobra do cotovelo ao tossir ou espirrar;
  • A criança que apresentar febre abaixo de 37.8°C, tosse e espirros deve permanecer em casa, em repouso com boa alimentação e hidratação.
  • Atentar à presença de febre acima de 37.8°C que persiste por mais de 24 horas e desconfortos respiratórios como cansaço e dispneia. Se estiverem presentes, procurar um serviço de saúde e seguir recomendações médicas;
  • O uso de máscaras por indivíduos sadios não representa, quando adotado de forma isolada, uma medida de prevenção. A lavagem das mãos e a etiqueta respiratória se constituem em medidas de maior efetividade. Além disso, o uso da máscara sem a lavagem das mãos e a etiqueta respiratória pode prejudicar sua eficácia na redução do risco de transmissão.

  A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) mantém a vigilância ativa da circulação dos vírus respiratórios, através do monitoramento constante da situação epidemiológica, gerando boletins e notas técnicas para orientação dos serviços de saúde, dos demais setores e da população.   Na ocorrência de qualquer mudança no cenário epidemiológico, que justifique a adoção de outras medidas de prevenção e controle dirigidas à comunidade escolar, haverá divulgação, em tempo hábil, através dos veículos oficiais de comunicação.   A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) ressalta que ações preventivas já são desenvolvidas, durante o ano letivo nas escolas, por meio de programas e projetos voltados à Educação Ambiental e à Promoção da Saúde na Escola. No entanto, alerta sobre a importância do engajamento de toda a comunidade escolar neste processo de prevenção ao COVID-19. Trabalhar pedagogicamente este contexto é fundamental para que os estudantes se apropriem dos conceitos e conheçam como podem ser agentes multiplicadores sobre a prevenção ao Coronavírus junto aos amigos, às famílias e à comunidade onde vivem.   Mais informações em www.saude.ba.gov.br/coronavirus.

Adesão ao Programa Mais Estudo segue até o dia 13 de março

A Secretaria da Educação do Estado publicou, no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (6), a continuidade das inscrições do Programa Mais Estudo até o dia 13 de março no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br). Este também é o prazo para que as unidades escolares encaminhem para a Secretaria da Educação do Estado (SEC), a relação dos estudantes selecionados para atuarem como monitores no programa. O programa oferece 10 mil vagas para que estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e do 1ª ao 3º ano do Ensino Médio e da 4ª série da Educação Profissional possam dar monitoria em Língua Portuguesa e Matemática aos colegas, contribuindo para o processo de ensino e aprendizagem. O início da monitoria está marcado para o dia 16 de março.


Pela atividade, o estudante monitor receberá uma bolsa de R$ 200 por mês. O investimento será de R$ 6 milhões do Governo do Estado, nesta primeira etapa do programa para o ano letivo de 2020. A seleção dos estudantes é feita pela escola levando em conta alguns critérios. O estudante, por exemplo, deve estar regularmente matriculado no ano letivo 2020 e deve ter obtido média igual ou superior a oito, no ano letivo de 2019, na disciplina que pretende atuar como monitor. O resultado do processo de seleção será divulgado pela própria unidade escolar e informado à Superintendência de Políticas para a Educação Básica da SEC, para os trâmites legais tendo em vista a bolsa auxílio da monitoria.
Sobre o Mais Estudo 
O programa foi lançado em 2019, quando foram oferecidas 10 mil vagas. As aulas aconteceram no turno diferente ao qual os estudantes estão matriculados. Com a linguagem própria da juventude, os monitores ajudaram os colegas a desenvolverem seus conhecimentos e habilidades, tanto que já há registros de melhoria nas notas dos envolvidos e de redução da reprovação. Os monitores são acompanhados por professores supervisores e coordenadores pedagógicos.

Fotos: Josenildo Almeida

CJCC de Feira de Santana ensina a fazer instrumento musical com plástico e relaciona atividade com Física e Matemática

Os estudantes do Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Feira de Santana (CJCC) estão colocando a criatividade em prática nas oficinas ofertadas pela unidade da rede estadual de ensino. Por meio da oficina “Sons do plástico”, realizada durante esta semana, eles aprenderam a confeccionar instrumentos musicais com plásticos recicláveis como garrafas pet, embalagens de produtos de limpeza, canos e sacos, além de latas de metal. A oficina, realizada gratuitamente, envolveu estudantes da Educação Básica e do Ensino Superior. Uma das coisas que chamam a atenção é que durante a construção dos instrumentos foram agregados conhecimentos de disciplinas como Matemática e Física.

Dente os instrumentos musicais de percussão e de sopro que os participantes aprenderam estão: pífano, que é uma flauta criada com cano PVC; flauta de pan, que é feita com mangueirinha de chuveiro; ganzá, que é confeccionado com metal e plástico; e o djembe, instrumento de origem africana, criado com caqueiro de planta e saco plástico e que possui um som semelhante ao do timbal.

De acordo com a professora da oficina, Sara Dumont Fadigas, a atividade interdisciplinar, com foco na conscientização ambiental, contribuiu para o aprendizado de diferentes conteúdos. “Na oficina, eles aprenderam os contextos históricos por trás de cada instrumento, como os sons são produzidos, além de conteúdos de disciplinas como Matemática e Física, a exemplo de frações, proporções, comprimento de ondas, sons em tubos fechados e outros”, destacou a educadora.

O estudante Miguel Pinheiro Barbosa, 17, que cursa Música na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), disse que gostou muito da proposta da oficina envolvendo a reciclagem. “Achei muito interessante, pois podemos reaproveitar materiais que seriam descartados para produzir instrumentos úteis e funcionas. Além do aprendizado sobre música, a atividade contribuiu para a preservação do meio ambiente”, afirmou.

William Marques Pinheiro, 19, que estuda Matemática na UEFS, disse que ficou surpreso em poder relacionar a Matemática com a música. “Toco Violoncelo e achei muito legal ver, na prática, o link dos conteúdos de Matemática com a música, a exemplo da corda pitagórica”, disse o estudante.

 Fotos: Divulgação

Secretaria da Educação do Estado e UNICEF realizam ações para Busca Ativa de estudante fora da escola

Especialistas do UNICEF irão realizar o Plantão Busca Ativa, na próxima segunda-feira (17), às 15h, pelo canal do You Tube (youtube.com/UNICEFBrasil). O momento será dedicado para tirar dúvidas e orientar os municípios da Bahia sobre essa iniciativa que tem como principal objetivo combater a exclusão escolar. A Secretaria da Educação do Estado (SEC) é parceria da UNICEF nesta ação que visa identificar estudantes que estejam fora da escola. A transmissão do Plantão Busca Ativa também poderá ser acessado simultaneamente pelo Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br).  

A Busca Ativa Escolar (BAE) é uma plataforma gratuita cuja intenção é apoiar os governos na identificação, registro, controle e acompanhamento de crianças e adolescentes que estão fora da escola ou em risco de evasão. Por meio da Busca Ativa Escolar, municípios e estados terão dados concretos que possibilitarão planejar, desenvolver e implementar políticas públicas que contribuam para a inclusão escolar.

Essa iniciativa é desenvolvida pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME), o Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (CONGEMAS), e aqui na Bahia a parceria é ampliada com a Secretaria da Educação do Estado da Bahia na mobilização dos municípios baianos.

Segundo o superintendente de Gestão da Informação Educacional do Estado, Rainer Guimarães, a Bahia tem cerca de 100 mil estudantes na faixa etária de 15 a 17 anos fora da escola e a parceria da UNICEF com a SEC traça estratégias para reverter este quadro. “Uma das estratégias desta parceria é envolver cada vez mais as diversas redes de ensino no monitoramento da frequência dos estudantes e articular a rede de proteção social, a exemplo dos conselhos tutelares, para identificar crianças e adolescentes que estejam fora da escola”.
Foto: Ilustrativa/ Claudionor Jr

EMITEC beneficia estudantes de áreas remotas da Bahia

Por meio do Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC), o Estado garante o acesso à educação aos estudantes que moram em áreas remotas da Bahia. Em 2019, o EMITEC atendeu a 18.107 estudantes de 133 municípios, totalizando 1.076 turmas. Desde 2011, quando foi implantado, o EMITEC já formou mais de 32 mil estudantes.

 O EMITEC faz uso de uma rede de serviços de comunicação multimídia, integrando dados, voz e imagem como alternativa pedagógica para atender a jovens e adultos que moram em localidades distantes ou de difícil acesso, onde não há oferta do Ensino Médio. As aulas são transmitidas via satélite e em tempo real, a partir dos estúdios de TV instalados no Instituto Anísio Teixeira, para 351 localidades afastadas dos centros urbanos. Os estudantes acompanham as aulas e tiram dúvidas com auxílio de um mediador e com a vantagem de estarem perto de suas casas.

 A estudante Viviane Barreto de Sena, 20 anos, moradora de Lagoa Bonita, distrito de Buritirama, está no 3º ano do EMITEC. Ela assiste às aulas no Centro de Ensino Estevo Moreira dos Santos e falou sobre a experiência. “Moro bem próximo da escola e o EMITEC facilitou muito para os estudantes da comunidade, principalmente para mim, pois sou casada e tenho um filho de dois anos e preciso ficar perto dele”, afirmou. Juliana da Silva Souza, 16, 3º ano, mora e estuda no povoado de Pirajá, distrito de Itamaraju, na Escola Municipal Eraldo Tinoco. “Levo 15 minutos para chegar na escola, onde tenho aulas através do EMITEC. Sem este acesso eu levaria em torno de uma hora de viagem para estudar na cidade mais próxima, que é Itamaraju. Graças ao EMITEC, posso ter um estudo excelente, com ótimos professores, sem ter que deixar a minha casa

Fotos: Divulgação

Escolas estaduais poderão abrigar cursos de graduação da UFBA

Escolas da rede estadual de ensino poderão abrigar cursos de graduação oferecidos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). A rede estadual de ensino já conta com experiências exitosas neste contexto por meio dos Complexos Integrados de Educação (CIEs), unidades da Secretaria da Educação do Estado (SEC), que funcionam em escolas localizadas em Porto Seguro, Itamaraju e Itabuna, em parceria com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), e em Ipiaú e Eunápolis, em parceria com a Universidade do Estado da Bahia (UNEB). A parceria com a UFBA foi discutida nesta terça-feira (11), pelo secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues e pelo pró-reitor de Ensino e de Graduação da UFBA, Penildon Silva Filho.

Nos Complexos Integrados de Educação são ofertadas diferentes modalidades da Educação Básica e do Ensino Superior. A perspectiva é a de que, com a UFBA, sejam implantados cursos nas áreas da Saúde, do Teatro e da Tecnologia. O secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, falou das expectativas do projeto com a UFBA. “Para nós, esta articulação e a aproximação com as universidades públicas é fundamental para fortalecer a Educação Básica e promover esta ponte, esta integração com o Ensino Superior, mediante a oferta de cursos; dos trabalhos de extensão; dos grupos de pesquisa; e da inclusão destas comunidades, além da relação com a Educação Básica”, destacou.

O pró-reitor Penildon Silva Filho falou sobre os próximos passos. “A nossa proposta é compartilhar espaços em escolas para, juntos, termos atividades de ensino, de pesquisa e de extensão que possam, inclusive, favorecer a formação profissional dos alunos no Ensino Médio. Estamos discutindo a possibilidade implantarmos nas escolas, por exemplo, um curso de Biotecnologia da UFBA; uma clínica-escola de Fisioterapia; uma clínica-escola de Fonoaudiologia; um polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB); e um campus universitário de Ciência, Tecnologia e Cultura, com a presença forte da Escola de Teatro”, destacou.

Sobre os complexos – Os Complexos Integrados de Educação têm buscado planejar, executar e avaliar um conjunto de ações inovadoras em conteúdo, método e gestão, direcionados à melhoria da oferta e da qualidade do Ensino Médio, na proposta de Ensino Integral.

O encontro com a UFBA também contou com a presença do subsecretário da Educação, Danilo Souza; da superintendente de Políticas para a Educação Básica, Manuelita Brito; do superintendente da Educação Profissional e Tecnológica, Ezequiel Westphal; do coordenador Executivo de Projetos Estratégicos da SEC, Marcius Gomes; do diretor do Instituto de Ciências da Saúde da UFBA, Roberto Paulo Correio, e da coordenadora da Universidade Aberta do Brasil na UFBA, Márcia Rangel, além dos professores da UFBA, Licko Turle e José Walter Andrade.

Foto: Claudionor Jr 

Mais de 750 mil estudantes voltam às aulas nesta segunda-feira na rede estadual

Depoimentos emocionados de estudantes, educadores, profissionais da Educação, e de familiares dos estudantes marcaram a aula inaugural do ano letivo 2020, nesta segunda-feira (10), na rede estadual de ensino. A aula aconteceu no Instituto Anísio Teixeira (IAT) e contou com a presença do secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues. A atividade foi transmitida ao vivo pela TVE e redes sociais da Educação Bahia. A rede conta com 750 mil estudantes.

Ao dar as boas-vindas a todos, o secretário Jerônimo Rodrigues destacou que o ano letivo na rede estadual é dedicado a reverenciar o legado e a memória do educador baiano, Anísio Teixeira, que completa 120 anos de nascimento, em 2020, por meio do projeto 2020: Ano Anísio Teixeira. Jerônimo destacou a importância do envolvimento de todos pela melhoria do processo de ensino e aprendizagem dos estudantes. “Neste momento somos todos pela educação da Bahia, e o nosso desejo é de fazermos todos os esforços para promover a qualidade da educação que os estudantes merecem. A Secretaria existe para desenvolver o conteúdo e a aprendizagem que compartilhamos nesta aula inaugural. As apresentações assistidas foram uma pequena amostra do que vemos nas escolas, uma expressão artística interligada com a aprendizagem. Temos projetos estratégicos para os estudantes utilizando o esporte, a cultura e as ciências, além de recursos como o EMITEC (Ensino Médio com Intermediação Tecnológica) para que possamos possibilitar o atendimento às crianças e jovens”.

Ainda segundo Jerônimo, os esforços são para tornar a escola atraente para os estudantes. “Além dos estudantes que estão na rede estadual, temos que nos preocupar com aqueles que estão fora. Queremos tornar a escola atrativa e inclusiva. Pensando também na Educação Especial, na Educação Indígena, Quilombola e do Campo. Em 2020 queremos a consolidação Educação Baiana. Estamos correndo com as licitações para construção de novas escolas, chamando mais professores e coordenadores pedagógicos e ampliando as escolas da Educação em Tempo Integral. A ideia é seguir de fato os ensinamentos do educador Anísio Teixeira, onde os alunos aprendem com uma formação completa fazendo pesquisa e arte”, disse.

Durante a cerimônia foram destacados projetos desenvolvidas pela Secretaria da Educação do Estado, como o programa Mais Estudo e o Sistema de Avaliação Baiano de Educação (SABE). “O Mais Estudo foi muito importante para mim e meus colegas. Isso ajudou a desenvolver o ensino na escola e nos deu uma grande oportunidade de nos prepararmos ainda mais para nossa formação. Espero que o programa dê mais chance a outros estudantes”, ressaltou o estudante Jardel da Silva Santos, 17 anos, monitor certificado de Língua Portuguesa, do programa Mais Estudo, da Escola Família Agrícola da Região de Alagoinhas (EFARA).

O estudante Diego Régis, 17, do curso técnico de nível médio em Agropecuária, do Centro Territorial de Educação Profissional da Bacia do Rio Grande, em Barreiras, teve a oportunidade de apresentar, como pesquisador, o trabalho “Utilização do fruto do Jatobá para a produção de bebida nutricional”. “Venho conquistando muito espaço com o trabalho de pesquisa do meu curso. E toda essa experiência na minha formação acaba influenciando outros colegas. Meu irmão que está entrando agora no Ensino Médio já dei a sugestão que faça curso técnico pois realmente é uma oportunidade que abre diversas portas profissionais”, contou.Para Maria Olívia, mãe de Acácia Araújo, 18, do Colégio Edvaldo Brandão, relatou como a escola estadual ajudou na formação de sua filha. “Transferi minha filha para a escola pública e sempre tivemos uma conversa muito franca de que em grande parte o seu aprendizado dependia dela. Mas no Colégio Edvaldo Brandão tivemos uma boa surpresa quando percebemos que tínhamos uma estrutura de aprendizagem muito boa. Ela participou de cursos de teatro, rádio e música, além de estágio. Fiquei feliz porque minha filha teve um excelente aprendizado”, disse. 
Fotos: Claudionor Jr. ASCOM/SEC   

Secretaria da Educação do Estado realiza capacitação de cozinheiras e merendeiras em unidades escolares

Com o objetivo de qualificar as cozinheiras e merendeiras da rede estadual de ensino, a Secretaria da Educação do Estado (SEC) dá continuidade ao cronograma de atividades da Coordenação de Alimentação Escolar. Para isso, a SEC promove a 1ª Semana de Capacitação 2020 de Manipuladores de Alimentos das Unidades Escolares de Salvador e do interior.

A ação com as escolas do NTE-19 Feira de Santana aborda temas como microbiologia; doenças transmitidas por alimentos (DTA´s); higiene dos alimentos; higiene pessoal; higiene ambiental; recebimento e armazenamento de alimentos; saúde do trabalhador; combate a pragas e vetores urbanos; e coleta de amostras estão sendo abordados.

A nutricionista Julia Uzeda, falou sobre a importância do evento, que está ocorrendo, simultaneamente, em todo o Estado. “Estamos no segundo encontro, que tem como objetivo reforçar os conceitos já trabalhados de boas práticas na manipulação dos alimentos, apresentar o cardápio e orientá-las quanto formas de preparação mais saudáveis e seguras do ponto de vista higiênico sanitário”, ressaltou.

A merendeira Sandra Mirada, do Colégio Estadual Imaculada Conceição, uma das participantes da capacitação, falou sobre a oportunidade. “Gostei muito porque cada dia mais a gente aprende a manusear os alimentos, lavar as mãos. Um benefício para nós e para nossos alunos”.

A também merendeira Josenilda Mendes, do Colégio Estadual General Osório, também falou sobre os benefícios do curso. “ aprendemos que para manipular os alimentos existem técnicas específicas e também que a higienização das as mãos, os utensílios e os alimentos são fundamentais para uma merenda saudável”.


Semana de capacitação – A nutricionista Daniele Freire explica que a atividade será desenvolvida em três momentos ao longo do ano, visando alcançar todos os manipuladores de alimentos das escolas do Estado. A 1ª Semana de Capacitação 2020 reúne manipuladores de alimentos de diversas unidades escolares de Salvador totalizando, neste primeiro momento, cerca de 400 pessoas. Ao final da atividade, os manipuladores participantes recebem certificados atestando sua qualificação.